Mulher utiliza caixa eletrônico

Crédito: Freepik

As tarifas cobradas pelos seis maiores bancos brasileiros – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal (CEF), Itaú, Safra e Santander – têm diferenças de mais de 50% nos pacotes padronizados de serviços prioritários, conforme pesquisa do Procon-SP.

Foram analisadas e comparadas as tabelas vigentes entre junho de 2020 e junho de 2021, coletadas nos próprios sites das instituições financeiras.

Na comparação entre as cobranças praticadas, constatou-se que apenas o Safra não aumentou o valor de suas tarifas referentes aos serviços prioritários. O Santander aumentou o valor de 25 de suas respectivas tarifas, o Itaú, de 13; a CEF, de 12; o Bradesco, dez e, o Banco do Brasil, uma.

Comparando os valores médios cobrados pelas tarifas dos serviços prioritários de 2020 com os de 2021, observou-se que houve em média um acréscimo de 3,36%. Entre os bancos, a maior diferença encontrada foi de 50,48% em um dos pacotes padronizados. Enquanto no Itaú o valor praticado era de R$ 46,65, no Safra era de R$ 31,00.

São exemplos de serviços prioritários o fornecimento de 2ª via de cartão nos casos decorrentes de perda, roubo, furto, danificação e outros motivos não imputáveis ao banco em questão; exclusão do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF) e emissão de cheque administrativo. (Com assessoria de imprensa)